Entrevista com o diretor geral da Sinotruk do Brasil

29/10/2012 10:34

O diretor geral da Sinotruk, Joel Anderson, responde à três pergundas sobre o atual momento da operação da empresa no país, veja:

Transporte Mundial – Em 2012 estava prevista a chegada de 2 200 unidades. Nesse montante já estão incluídos
os novos A7?
Joel Anderson – Em abril deste ano, a CNHTC (China Nacional Heavy Duty Truck Group Corporation) firmou contrato com a Sinotruk Brasil para a exportação de 2 000 unidades de caminhões com motorização Euro 5. O primeiro lote de 400 unidades do modelo A7 chegou recentemente e começará a ser comercializado em breve. O restante das unidades chegará ao país conforme a demanda. Assim que a família Howo estiver com o motor Euro 5 homologado para o mercado nacional, também será exportada para o Brasil.

TM – A empresa chinesa terá participação financeira direta na futura fábrica brasileira ou cobrará royalties por veículo produzido?
Joel Anderson – A CNHTC terá participação financeira direta na futura fábrica, mas a maior parte do investimento será feito com capital nacional. Os investimentos diretos previstos para a primeira etapa do projeto serão superiores a R$ 300 milhões, podendo chegar a R$ 1 bilhão em médio prazo por conta de investimentos necessários para o desenvolvimento tecnológico, gestão, distribuição e comercialização.

TM – É possível imaginar que no futuro a versão nacionalizada do A7 com componentes dos sistemistas nacionais poderá ser tão competitiva em preço quanto são os veículos importados da China?
Joel Anderson – A proposta desde o início das operações da marca no país sempre foi oferecer caminhões com excelente relação custo-benefício, o que significa preço competitivo. Com a fábrica e a nacionalização de peças, teremos ainda mais condições de aprimorar esse conceito.
Marcos Villela

fonte : http://transportemundial.terra.com.br/index.asp?codc=2006